Opinião
A Mano o que não é de Mano
3 março, 2017
0
,

Ainda que os resultados ainda não sejam tão largos (exceção feita ao semi-amador São Francisco-PA na Copa do Brasil), o Cruzeiro de Mano Menezes deixa ótima impressão no início de 2017. Controle de jogo e vitória sem grandes sustos na maioria das partidas disputadas até aqui. Ontem, mais uma, apesar do placar apertado (2 a 1) contra a Caldense no Mineirão. Domínio da posse (57%), quatro vezes mais finalizações certas (12 contra 3) e mais de 500 passes completados.

 

mano_cruzeiro_caldense O que mais chama a atenção no início de trabalho do time celeste é que reúne características pouco comuns em trabalhos passados do seu atual comandante. Reconhecido por times mais reativos, com marcação mais baixa e passes mais longos procurando espaços vazios do lado do campo, Mano muda o “estilo” para se adequar a um elenco bastante qualificado. O Cruzeiro de 2017 é rápido, leve, troca passes curtos por dentro e tem constante troca de posições.

E a tendência é que o jogo leve fique cada vez mais leve com o entrosamento do quarteto de frente formado por Robinho, Thiago Neves, Arrascaeta e Rafael Sóbis. Quatro jogadores com muita capacidade de passe, movimentação e finalização. Que se completam, ainda que sejam bastante parecidos em vários aspectos. A naturalidade dos movimentos tende a deixar o time cada vez mais forte.

 

Mas ainda há problemas, causados justamente pelo excesso de mobilidade. É comum o adversário que sai com velocidade pegar o Cruzeiro desorganizado. Com os laterais avançando ao mesmo tempo para que o trio de meias trabalhe por dentro, e com Cabral lento para realizar a transição defensiva, muitas vezes o time sofre e expõe a dupla de zaga e o capitão Henrique. É verdade que por optar por linhas de passe curtas, normalmente tem muita gente para brigar pela retomada rápida da bola, mas quando não consegue vê lances como o do gol de Rato, no fim do duelo desta quinta.

 

Com Mayke, Dedé e Lucas Silva, potenciais titulares que ainda recuperam a forma física ideal para brigar por uma posição entre os 11, a tendência é que o time ganhe mais leveza com a bola nos pés e mais velocidade para as transições defensivas.

 

Mano é um grande treinador e perceber as características do elenco para moldar seu trabalho é o caminho mais inteligente a seguir. O Cruzeiro ainda precisa de muitos ajustes, mas tende a melhorar de forma exponencial ao longo da temporada e pode voltar a brigar na parte de cima do Campeonato Brasileiro.

0

Sobre o autor

Itens relacionados

/ Você também pode verificar esses itens

Micale caiu no Horto

Ainda que os resultados ainda não sejam tão larg...

Leia mais

Botafogo chegou ao limite, Grêmio pode chegar mais longe

Ainda que os resultados ainda não sejam tão larg...

Leia mais

VAR no Brasil: problema não é quando, é como

Ainda que os resultados ainda não sejam tão larg...

Leia mais

0 comentários

Deixe uma resposta