Opinião
Meias do Bahia podem oferecer mais
30 março, 2017
0

Foi a primeira oportunidade de ver o Bahia em 2017. Confesso que o pouco que vi no ano passado me causou decepção. Esperava mais do trabalho de Guto Ferreira, o Gordiola, que pelo que acompanho a distância ainda carrega as mesmas críticas na atual temporada. Principalmente relacionadas ao desempenho do time como visitante.

 

regis_bahia Não foi o caso da partida desta quarta. A vitória por 4 a 2 diante do Sergipe poderia ter sido com uma margem ainda mais confortável. De toda maneira, encaminhou a vaga do time na semifinal da Copa do Nordeste (possivelmente um clássico contra o Vitória). Mostrou um time de muita intensidade com a bola, marcando a saída de jogo dos donos da casa e usando muita velocidade pelos lados. Mas com alguns problemas, boa parte deles causados pela pouca participação dos meias em fases importantes do jogo.

 

Embora os números defensivos sejam ótimos (só ontem levou os primeiros gols na Copa do Nordeste e ao todo conta com seis sofridos em 17 jogos), a transição defensiva do Bahia deixa a desejar. É bem verdade que o trio de meias do 4-2-3-1 (ontem formado por Régis, Zé Rafael e Allione) pressiona muito a saída de bola e por muitas vezes obrigou o Sergipe a rifar a bola. Mas quando o adversário ultrapassava a primeira linha, faltava rapidez na recomposição, sobrando todo o trabalho sujo para os volantes e a linha defensiva. Até por isso, Juninho, um dos destaques da campanha na Série B do ano passado, venha aparecendo menos ofensivamente.

Mas não é esse o único “erro” dos meias baianos. Com a bola, no último terço, falta pisar mais na área. Por muitas vezes, Hernane era o único jogador a brigar pela bola na área do Sergipe e aparecer como opção para o último passe. Quando os donos da casa escancararam os espaços e os jogadores do Bahia passaram a explorar mais a profundidade, os gols (e as melhores chances) saíram de forma quase natural.

 

O início de trabalho do Bahia é animador, embora o tropeço na Copa do Brasil sirva para ligar o alerta. São bons números defensivos e um time que mostra muita intensidade. Mas que vai precisar mais do trabalho dos meias para conseguir ser competitivo quando o nível competitivo aumentar ao longo de 2017.

0

Sobre o autor

Itens relacionados

/ Você também pode verificar esses itens

Botafogo chegou ao limite, Grêmio pode chegar mais longe

Foi a primeira oportunidade de ver o Bahia em 2017...

Leia mais

VAR no Brasil: problema não é quando, é como

Foi a primeira oportunidade de ver o Bahia em 2017...

Leia mais

Galo dá passo importante em direção ao futuro

Foi a primeira oportunidade de ver o Bahia em 2017...

Leia mais

0 comentários

Deixe uma resposta