Opinião
O Avaí e o acerto de expectativas
12 setembro, 2017
0
, , , , , ,

Ainda é cedo para se empolgar, mas o ótimo início do returno tirou o Avaí da zona do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. São 10 pontos em quatro jogos: três vitórias e um empate. Das vitórias, duas fora de casa e uma no clássico contra a Chapecoense. O líder do returno ocupa a 14ª posição na tabela. Muito disso deve-se a um simples fato: sabe onde pode e onde quer chegar. Acertou a expectativa.

 

Avaí, Campeonato Brasileiro,

Marlon Costa / Pernambuco Press

Vinicius Eutrópio foi demitido ontem pela Chapecoense. A 23ª troca de técnico no ano na Série A do Campeonato Brasileiro. A máquina de moer treinadores segue a todo vapor porque os nossos clubes não sabem reconhecer o seu tamanho nas competições. Um time remontado após o acidente no fim do ano passado, não poderia querer mais em 2017 do que se safar do rebaixamento. Quando Vágner Mancini saiu, a Chape tinha sido campeã estadual, feito campanha digna na Libertadores e estava fora do Z-4 no Brasileiro. Acharam que era pouco. Hoje, dois meses depois, ocupa a 18ª posição e vai em busca do terceiro treinador da temporada.

A Chapecoense está longe de ser o único exemplo. Aquela velha história (cada dia mais mentirosa) de que o Campeonato Brasileiro é o mais disputado do mundo porque “pelo menos 12 times tem condições de ficar com o título”, não é bem assim. Mas se todos acham que o título é uma obrigação ou pelo menos uma forte possibilidade e só um vai ganhar, só se vê decepção.

 

Não no caso do Avaí. Que subiu da Série B em 2016 e que parece saber exatamente o seu lugar na competição: a dura briga contra o rebaixamento. Basta ver quantos fizeram bate-volta na elite nos últimos anos. Remontar um time que jogou a segunda divisão para um torneio de nível muito mais alto é um trabalho duro.

 

É cedo para se empolgar e dizer que o Avaí vai se salvar. Mas é bom ficar atento a como o clube lida com a temporada. Vice-campeão estadual, buscou reforços pontuais para o Campeonato Brasileiro sem estourar o orçamento. E recentemente renovou o contrato de Claudinei Oliveira, que completou um ano no comando em agosto, até o fim de 2018. O time que passou muitas rodadas no Z-4 e chegou a ficar cinco jogos sem vencer, não parece ter pensado na troca de comando. E não deve pensar. Mesmo que seja rebaixado, a continuidade parece o melhor caminho para voltar ainda mais forte no ano que vem.

 

Saber o que esperar é o melhor caminho para não se decepcionar facilmente. E conseguir manter e planejar. Como o Avaí, líder do returno do Campeonato Brasileiro.

0

Sobre o autor

Itens relacionados

/ Você também pode verificar esses itens

O “jeitinho brasileiro” do Grêmio é jogo sujo

Ainda é cedo para se empolgar, mas o ótimo iníc...

Leia mais

Benedetto e a dura realidade do esporte

Ainda é cedo para se empolgar, mas o ótimo iníc...

Leia mais

Campeonato Brasileiro no mundo da Lua

Ainda é cedo para se empolgar, mas o ótimo iníc...

Leia mais

0 comentários

Deixe uma resposta