Opinião
Os números do Brasileirão – Rodada 4
6 junho, 2017
0
, , , , , , , , , , , , , , , ,

Com a ajuda dos sites Footstats, WhoScored e Sr Goool, é possível levantar alguns números a respeito do Brasileirão. E a ideia é tentar analisar alguns dos mais importantes aqui, rodada após rodada.

 

Curioso notar que a rodada com a melhor média de público até agora (alavancada por clássicos e por Palmeiras e Corinthians jogando em casa) foi a de menor média de gols. Foram 17.054 pagantes, em média, para apenas 15 gols (1,5 por jogo). Por falar em público, foi a quarta rodada e pela quarta vez o menor público contou com a presença do Sport (desta vez, visitante contra o Avaí).

A rodada que teve poucos gols, deve-se bastante aos visitantes. Só dois times jogaram fora de casa e balançaram as redes (Vitória e Chapecoense). Mas pelo menos a quarta rodada serviu para que além dos baianos, o Avaí marcasse o seu primeiro gol na competição.

 

Ainda sobre gols: o Bahia manteve o melhor ataque da competição (desde a primeira rodada, diga-se) e deve muito disto a Allione. O meia argentino é o líder em assistências (3, ao lado do companheiro Zé Rafael), é o primeiro em passes para finalização e também em cruzamentos certos. Começou o Brasileirão voando.

 

O Vasco também merece destaque após a quarta rodada. É o melhor time no um contra um. Além de ser a equipe que mais desarma (77) é a que mais dribla (20). Só precisa tomar mais cuidado quando o adversário estiver dentro da área. Cometeu neste fim de semana o seu quinto pênalti em quatro jogos.

 

Pênaltis aliás são outro capítulo a parte no Campeonato Brasileiro. Dos 13 marcados até aqui, várias coincidências: apenas seis times sofreram, apenas seis times receberam.

 

Quem se aproveitou foi Henrique Dourado, que já andou balançando as redes da marca da cal e mantém um incrível aproveitamento nas finalizações certas. O artilheiro do Brasileirão acertou oito chutes a gol (é o líder no quesito) e saiu para comemorar seis vezes.

 

Para fechar, o número mais impactante. Com as saídas de Dorival Júnior no Santos e Marcelo Cabo no Atlético-GO, chegamos à seis trocas de técnico em apenas quatro rodadas. A guilhotina está solta como nunca no Campeonato Brasileiro.

0

Sobre o autor

Itens relacionados

/ Você também pode verificar esses itens

Micale caiu no Horto

Com a ajuda dos sites Footstats, WhoScored e Sr Go...

Leia mais

Botafogo chegou ao limite, Grêmio pode chegar mais longe

Com a ajuda dos sites Footstats, WhoScored e Sr Go...

Leia mais

VAR no Brasil: problema não é quando, é como

Com a ajuda dos sites Footstats, WhoScored e Sr Go...

Leia mais

0 comentários

Deixe uma resposta