Opinião
Rodada final foi emocionante retrato de um Campeonato ruim
4 dezembro, 2017
0
, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Em pleno 2017 ainda há quem diga que não há emoção em campeonato de pontos corridos. A rodada final do Brasileiro deste ano foi mais um tapa na cara de quem acha que precisa ter dois times envolvidos diretamente na luta pelo título para uma competição ter graça. Troféu a parte, o Campeonato Brasileiro só foi decidido no fim, literalmente.

 

Chapecoense, Campeonato Brasileiro, Libertadores,

Sirli Freitas/Chapecoense

Muito por conta da pobreza técnica da competição esse ano. Ainda mais escancarada com o aumento no número de vagas para a Libertadores. Times que pouco fizeram por merecer para jogar a competição continental chegaram vivos ao último jogo. O Atlético-MG, que não figurou uma rodada sequer na zona de classificação para o torneio, torcerá para o Flamengo na Sul-Americana para se classificar também.

Em geral, a última rodada foi mais do mesmo: times que não conseguiram produzir o esperado. Que não conseguiram impor o modelo de jogo. E que sofreram e suaram para conseguir os resultados, apenas no fim. O Palmeiras foi vice-campeão levando 3 a 0 do Atlético-PR na rodada final. O Santos, que poderia ultrapassá-lo, não conseguiu vencer o rebaixado Avaí dentro de casa.

 

Na briga pelas últimas vagas na Libertadores, também faltou capacidade e imposição técnica. O Flamengo só marcou na reta final os gols da virada contra o Vitória. O Vasco teve dificuldades contra uma Ponte Preta já rebaixada. O Atlético-MG ficou sempre atrás dos reservas dos reservas do Grêmio e só venceu com uma bola parada já nos acréscimos. Sem falar no Botafogo que não venceu nenhum dos últimos cinco jogos e acabou ficando fora da competição continental.

 

Só merecem aplausos os jogadores da Chapecoense. Um time que foi montado do zero em janeiro e que mais uma vez fez um Campeonato honesto: lutou, sofreu e venceu. Faz sua melhor campanha da história após um fim de 2016 trágico. Está na Libertadores pelo segundo ano consecutivo. Um feito imenso.

 

O Campeonato Brasileiro teve muita emoção guardada para os minutos finais. Mas foi paupérrimo tecnicamente. O mais fraco dos últimos anos, sem dúvidas. O dinheiro aumentou para os clubes mas a capacidade de gerir e gastar continua muito abaixo do desejado. Que em 2018 seja tão emocionante quanto mas com mais futebol.

 

A minha seleção: Vanderlei (Santos), Fágner (Corinthians), Geromel (Grêmio), Balbuena (Corinthians) e Guilherme Arana (Corinthians); Arthur (Grêmio), Hernanes (São Paulo) e Thiago Neves (Cruzeiro); Dudu (Palmeiras), Jô (Corinthians) e Henrique Dourado (Fluminense). Técnico: Fábio Carille (Corinthians). Menções honrosas para Bruno Henrique do Santos e Zé Ricardo do Vasco.

0

Sobre o autor

Itens relacionados

/ Você também pode verificar esses itens

Único vexame do Flamengo foi fora do campo

Em pleno 2017 ainda há quem diga que não há emo...

Leia mais

Grêmio e a superação na final do Mundial

Em pleno 2017 ainda há quem diga que não há emo...

Leia mais

Brasileirão de Aspirantes é necessário

Em pleno 2017 ainda há quem diga que não há emo...

Leia mais

0 comentários

Deixe uma resposta