Opinião
Sassá é trunfo que Botafogo não pode abrir mão
15 março, 2017
0
,

Não foi mais uma vez uma grande atuação. Mas não faltou brio e luz ao Botafogo na estreia da fase de grupos da Libertadores. Vitória por 2 a 1 sobre um Estudiantes duro, bem organizado na defesa ainda que não viva um bom momento técnico e que tenha a falta de ritmo de jogo a exemplo dos outros argentinos que ainda não decolaram na competição.

 

sassa_botafogo_libertadores Mas o ponto alto do trunfo do time de Jair Ventura foi a volta de Sassá. Não que ele seja um grande craque que vá resolver todos os problemas. Muito menos que tenha feito uma partida espetacular nos minutos que ficou em campo no Engenhão. Mas participou do gol da vitória e mostrou que as coisas podem ser um pouco mais fáceis quando você tem mais opções à disposição.

Jair ainda não conseguiu achar a fluência para encaixar Camilo e Montillo no time. Com Camilo na direita do 4-2-3-1 e Montillo como um ponta de lança por dentro, faltou capacidade para ultrapassar a linha de meio-campo dos argentinos. Poucos jogadores entre-linhas para receber a bola e nenhum para fazer um passe que rasgasse a organização do Estudiantes. O Botafogo trocou passes entre zagueiros e volantes por tempo demais sem conseguir agredir o adversário. Faltou também acelerar quando fez 1 a 0 para se aproveitar da falta de ritmo do adversário para definir. Sofreu, mas venceu mais uma vez.

 

E assim deve ser ao longo de toda a Libertadores. O Botafogo é um time que tem organização e que conhece suas limitações. É fundamental para que possa brigar e brilhar como tem feito até aqui.

 

Com mais opções como Sassá, que alia força, técnica e poder de arremate, fica mais difícil sofrer menos. O Botafogo não pode abrir mão dele e precisa tratar com cuidado o jovem atacante para que ele possa ajudar cada vez mais.

0

Sobre o autor

Itens relacionados

/ Você também pode verificar esses itens

Micale caiu no Horto

Leia mais

Botafogo chegou ao limite, Grêmio pode chegar mais longe

Leia mais

VAR no Brasil: problema não é quando, é como

Leia mais

0 comentários

Deixe uma resposta