Opinião
Vitória no sufoco para o Atlético
8 junho, 2017
0
, ,

Não foi um jogo como se imaginava no Independência. Ainda sem vencer na competição e com muitos problemas na escalação, o Atlético-MG pareceu jogar apenas o suficiente para garantir o resultado. Por pouco não deixou escapar mais pontos no início do Campeonato Brasileiro.

 

Atlético-MG, Avaí, Campeonato Brasileiro, Atlético

Futura Press

Méritos do Avaí, que desde o primeiro minuto mostrou que estava disposto à jogar. Ainda que tenha evidentes problemas ofensivos que já foram citados aqui, o time de Claudinei Oliveira trocou passes curtos aproximando principalmente Juan e Marquinhos e poderia ter aberto o placar logo no início em chute de Rômulo defendido de forma brilhante por Victor.

 

Ainda que atordoado, o Atlético saiu na frente bem cedo. Robinho, que se movimentou por toda parte e foi o destaque do time no primeiro tempo, fez ótima inversão e achou Alex Silva muito solto, sem ser acompanhado por Juan. Cruzamento na medida e o primeiro de Fred no Brasileiro. Era para deslanchar.

 

Mas não foi. Talvez pelos muitos desfalques, talvez pelos resultados recentes, o Galo recuou as linhas. Deu a bola para o adversário e reduziu a intensidade. Enquanto o Avaí esbarrava na dificuldade de finalizar, o Atlético acelerava pouco. É verdade que quase foi suficiente para fazer o segundo e deixar a vitória bem encaminhada ainda na etapa inicial.

 

Veio o segundo tempo e o ritmo baixo do Atlético foi diminuindo com as mudanças de Roger para reoxigenar o time. Com apenas quatro titulares em campo, o Galo não conseguia mais prender a bola no ataque e chegou a sofrer um pequeno sufoco. Victor fez duas boas defesas na etapa final e garantiu a vitória magra.

 

Roger demorou para perceber que a temporada seria dura e que o excesso de jogos cobraria seu preço. Já dizíamos lá atrás que era necessário rodar o grupo, quando ele teimava em dizer que fisicamente o time estava bem. Na marra, está sendo obrigado a mudar peças e o desempenho não para de cair.

 

Do outro lado, o organizado Avaí de Claudinei Oliveira deixou claro mais uma vez que esbarra na falta de peças. Há um bom trabalho ali, mas que dificilmente será suficiente para salvar o time do rebaixamento se não houver qualificação. Juan já mostrou que pode ajudar muito. Mas falta mais.

0

Sobre o autor

Itens relacionados

/ Você também pode verificar esses itens

O “jeitinho brasileiro” do Grêmio é jogo sujo

Não foi um jogo como se imaginava no Independênc...

Leia mais

Benedetto e a dura realidade do esporte

Não foi um jogo como se imaginava no Independênc...

Leia mais

Campeonato Brasileiro no mundo da Lua

Não foi um jogo como se imaginava no Independênc...

Leia mais

0 comentários

Deixe uma resposta