Marcação Tática
Pré-Temporada: Internacional
14 Janeiro, 2018
0
,

Uma das grandes decepções do futebol brasileiro em 2017 foi o Internacional. Não conseguiu ficar com o título da Série B mesmo investindo mais de dez vezes o valor que o campeão, América. Raramente encantou e muitas vezes sofreu para dominar adversários muito mais fracos. Subiu porque era impossível pensar que pudesse acontecer algo diferente. Mas vai precisar de mais na nova temporada.

 

No banco de reservas, uma aposta. Odair Hellmann assume o clube que ele conhece muito bem. Resta saber se o Inter que tem sido uma máquina de moer treinadores agora vai apostar de fato neste novo projeto. Ou se ele precisará de bons e rápidos resultados para se sustentar, o que é a tendência. Como já tinha um bom time jogando muito abaixo do que podia (o que acontece, aliás, desde 2016), o Internacional não precisou investir tanto no mercado. Buscou até aqui jogadores que somam e que chegam para disputar posição. Nenhum titular absoluto.

 

Os primeiros passos de Odair no comando da equipe já desenham uma frequente alternância entre o 4-2-3-1 e o 4-1-4-1. É preciso cuidado para não exigir muito de D’Alessandro, principal jogador do time na última temporada, mas que tem a idade como fator preocupante. Camilo vem sendo testado aberto pelo lado esquerdo, mas pode (e deve) perder a posição ao longo da temporada para Wellington Silva ou Nico López.

Pré-Temporada, Internacional,

Primeiros passos do Inter em 2018 indicam alternância de esquema para acomodar D’Ale.

Ainda ficam algumas dúvidas que tem perseguido o desempenho do time nos últimos anos. Mais uma vez parece uma equipe pesada e lenta em alguns setores importantes do campo, em especial no meio-campo. Dourado e Edenílson dão poder de marcação, força física e bom passe, mas não são jogadores de boa transição. D’Alessandro, como dissemos, não tem perna para ocupar todos os espaços. O mesmo pode ser dito de Camilo e Nico López, jogadores de muita técnica mas que deixam a desejar na velocidade.

 

O Internacional não tem um time ruim, pelo contrário. Mas vai precisar de ajustes e encaixe para competir bem na Série A. Me parece uma equipe que só funciona de uma maneira: em jogos com controle e ritmo lento. Nem sempre será suficiente. Encontrar maneiras de acelerar e competir mais, será importante para sofrer menos. E além disso, acreditar de verdade no projeto que se propôs.

 

TÉCNICO: Odair Hellmann (no comando desde janeiro de 2018)

CHEGARAM: Dudu (LD – Figueirense); Ruan (LD – Boa Esporte); Gabriel Dias (V – Paraná); Patrick (V – Sport); Wellington Silva (A – Fluminense) e Roger (A – Botafogo) .

SAÍRAM: Léo Ortiz (Z – Sport); Geferson (LE – CSKA Sofia-BUL); Gustavo Ferrareis (M – Figueirense); Alex Santana (M – Paraná); Bertotto (M – Veranópolis); Carlos (A – Atlético-MG); Roberson (A – Jeju United-COR); Aylon (A – América); Diego (A – Paraná) e Eduardo Sasha (A – Santos).

A PROMESSA: Charles (V – 21 anos). Volante alto e forte, teve muitos minutos na Série B do Campeonato Brasileiro em 2017. Ainda que comece a temporada como reserva, tem bola e condição de brigar por uma vaga no time titular, melhorando a dinâmica no meio-campo de Odair Hellmann.

FIQUE DE OLHO: D’Alessandro (M – 36 anos). Esqueça a idade avançada. D’Ale deve seguir como um dos principais jogadores do Inter em 2018. Liderança fundamental em campo, fez muita falta no ano do rebaixamento. É ainda um jogador com muita capacidade de conduzir o time, mesmo que tenha que ser mais dosado nesta temporada.

EM 2018: Campeonato Gaúcho (favorito ao título), Copa do Brasil (oitavas de final) e Campeonato Brasileiro (meio de tabela).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Grêmio
13 Janeiro, 2018
0
,

O campeão da Copa Libertadores e melhor time do país em 2017 ainda nem se reapresentou para a nova temporada, mesmo que o Campeonato Gaúcho esteja para começar. O Grêmio vai usar um time alternativo para dar as justas férias para o elenco que disputou o Mundial. Mas a verdade é que Renato Gaúcho precisa começar a trabalhar o quanto antes. Mais difícil que chegar ao topo é se manter nele.

 

Para a nova temporada, o Grêmio sofreu baixas importantes e não necessariamente esperadas. Edilson recebeu ótima proposta do Cruzeiro e saiu. Fernandinho optou pelo dinheiro chinês. Lucas Barríos também não permanecerá. Dois jogadores de difícil reposição em um mercado de poucas opções. De positivo, a chegada do ótimo atacante Alisson, na troca pelo lateral direito titular, que tem tudo para assumir papel de protagonismo formando com Luan boa dupla que já aconteceu nas seleções de base.

 

Certo é que os primeiros passos do Grêmio no mercado mostram que a aposta se repetirá. Renato Gaúcho parece disposto e pronto para tentar recuperar qualquer jogador. Por isso, o clube não deve investir em nomes que estão em alta. Assim veio a reposição com Mádson para a lateral. E a opção por Paulo Miranda para a zaga.

Grêmio, Pré-Temporada,

Com praticamente o mesmo time campeão da Libertadores, Grêmio ainda não se reapresentou.

Urge encontrar uma solução para o ataque (que pode envolver um novo teste com Luan mais avançado, como um falso 9). Jael por mais que tenha ajudado na conquista da Libertadores, não deve ser a aposta para envergar a camisa de titular ao longo de uma temporada dura e com tanta cobrança. Fica a dúvida também sobre até quando o clube conseguirá segurar o ótimo Arthur. Aliás, é importante levar em conta no Grêmio o impacto que a Copa do Mundo pode ter. Nenhum time brasileiro tem tantos possíveis “selecionáveis”.

 

A exigência em 2018 para quem jogou tão bem no ano passado será grande. O time também será mais visado como o atual campeão da Copa Libertadores. A tarefa para a temporada que se inicia é dura e espinhosa. Mas quem ousa duvidar da capacidade de Renato Gaúcho? Acho que ele o treinador do Grêmio não precisa mais se provar.

 

TÉCNICO: Renato Gaúcho (no comando desde setembro de 2016)

CHEGARAM: Mádson (LD – Vasco); Paulo Miranda (Z – Red Bull-AUS); Thaciano (M – Boa Esporte) e Alisson (A – Cruzeiro).

SAÍRAM: Edilson (LD – Cruzeiro); Denilson (Z – Ceará); Rafael Thyere (Z – Chapecoense); Lucas Barrios (A – Argentino Jrs-ARG); Batista (A – Atlético Tubarão); Fernandinho (A – Chongqing Lifan-CHI); Arroyo (A) e Guilherme (A – Chapecoense).

A PROMESSA: Jean Pyerre (M – 19 anos). Entrou em seis jogos no último Campeonato Brasileiro e foi o destaque do time de transição na rodada final contra o Atlético-MG. Meia de boa dinâmica, deve ser o próximo da fila com Renato Gaúcho a ganhar mais rodagem no time profissional. Disputou o Sul-Americano com a seleção sub-17 e tem passagem pela seleção sub-20.

(Em 2017 a aposta foi em Lucas Lovat, que acabou negociado com o Avaí e não teve oportunidade de jogar na última temporada.)

FIQUE DE OLHO: Luan (A – 24 anos). De contrato renovado e muito cotado para estar entre os convocados para a próxima Copa do Mundo, deve ser mais uma vez um dos principais jogadores em atividade no país. A dúvida é até quando o Grêmio vai conseguir segurar.

EM 2018: Campeonato Gaúcho (briga pelo título), Libertadores (quartas de final), Copa do Brasil (briga pelo título) e Campeonato Brasileiro (briga por vaga na Libertadores).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2017 (em negrito os acertos): Primeira Liga (briga pelo título), Campeonato Gaúcho (briga pelo título), Libertadores (quartas de final), Copa do Brasil (briga pelo título) e Campeonato Brasileiro (briga por vaga na Libertadores).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Fluminense
12 Janeiro, 2018
0
,

A crise financeira que assola o futebol brasileiro atingiu o Fluminense em cheio. E o clube parece ter resolvido recomeçar quase do zero em 2018. Tentou acordos por quase todos os jogadores de salários mais altos e valorizados do elenco. Garantiu apenas a (fundamental) manutenção do técnico Abel Braga, ainda que o trabalho na última temporada tenha tido muitos problemas. Ele ganha o também importante auxílio de Paulo Autuori, que chegou para gerir o futebol.

 

O perfil na atual temporada deve seguir praticamente o mesmo, mas com ainda menos material humano: apostar em Xerém para tentar montar um time competitivo. Do time titular no último jogo oficial (empate por 1×1 com o Atlético-PR), seis jogadores deixaram o clube. Henrique Dourado também deve sair, a caminho do Corinthians. É um começo praticamente do zero, com poucos reforços (apenas dois até aqui).

 

Nos primeiros treinos da temporada, Abel Braga deu indícios de que vai utilizar um novo sistema. A equipe começa o ano no 3-5-2, que vem sendo pouquíssimo utilizado pelos grandes clubes do país nos últimos anos. Assim ele espera garantir eficiência na defesa e poder utilizar a velocidade na frente com o seu jovem time à disposição. Uma equipe de transições rápidas deve ser o caminho escolhido para 2018.

Fluminense, Pré-Temporada,

Primeiros testes de Abel em 2018 revelam time no 3-5-2.

O principal (de muitos) problemas da última temporada, porém, deve se repetir em 2018. O time muito jovem, com pouca rodagem na equipe principal, tende a oscilar mais. O Fluminense chegou a fazer partidas excelentes no primeiro semestre, mas não conseguiu sustentar o mesmo nível por longos períodos. Em um calendário apertado, é fatal.

 

Com pouca capacidade de investimento, será fundamental ter cabeça no lugar e traçar um bom planejamento condizente com o que pode fazer na temporada. Achar que Abel (ou qualquer outro treinador) fará milagre com o que tem a disposição será um enorme tiro no pé. O Fluminense é um grande formador mas andou negociando muitos jogadores recentemente e o que ficou não me parece ter tanto a oferecer. O ano promete ser longo e duro, mas pode ser importante para voltar a crescer.

 

TÉCNICO: Abel Braga (no comando desde janeiro de 2017)

CHEGARAM: Gilberto (LD – Vasco) e Jádson (V – Ponte Preta).

SAÍRAM: Diego Cavalieri (G); Wellington (LD); Renato (LD – Ceará); Lucas (LD – Vitória); Henrique (Z); Artur (Z); Léo (LE – Bahia); Higor Leite (M – ABC); Maranhão (M – Goiás); Robert (M); Marquinho (M); Wellington Silva (A – Internacional).

A PROMESSA: Douglas (M – 20 anos). Meia canhoto teve bons minutos na temporada 2017, atuando em 32 partidas. Parece ser o próximo da fila para uma boa negociação para o clube. Versátil, pode atuar mais recuado como volante ou com liberdade para se apresentar à frente.

(Em 2017 a aposta foi em Pedro, que teve chances normalmente vindo do banco de reservas. Atuou em 35 jogos e marcou 7 gols. Segue como peça importante no elenco para o novo ano.)

FIQUE DE OLHO: Sornoza (M – 23 anos). Teve a última temporada como um período de adaptação importante no futebol brasileiro. Precisará ser em 2018 tudo aquilo que se esperava quando foi contratado depois de ótima atuação na Libertadores. Terá que assumir o protagonismo após a saída das referências do time.

EM 2018: Campeonato Carioca (corre por fora), Sul-Americana (segunda fase), Copa do Brasil (terceira fase) e Campeonato Brasileiro (briga contra o rebaixamento).

 

AS APOSTAS DO BLOG EM 2017 (em negrito os acertos): Primeira Liga (briga pelo título), Campeonato Carioca (briga pelo título), Sul-Americana (corre por fora), Copa do Brasil (oitavas de final) e Campeonato Brasileiro (meio da tabela).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Flamengo
11 Janeiro, 2018
0
,

É difícil dizer o quanto a saída de Rueda, da forma como foi conduzida, atrapalhou/atrasou o planejamento do Flamengo para 2018, ainda que a diretoria diga o contrário. Mas é fato que chama a atenção um dos clubes com a maior receita do país não ter feito sequer uma contratação até agora, mesmo que tenha um elenco já qualificado à disposição. O “ano novo” parece que ainda não chegou para o time vice-campeão das Copas do Brasil e Sul-Americana na última temporada.

 

Ainda que tenha feito um trabalho decepcionante e tenha conduzido mal o processo de saída, Rueda deixa um legado importante no Flamengo. Aproveitou e maturou jovens como Felipe Vizeu, Lucas Paquetá e Vinicius Júnior que precisavam (e ainda precisam) de mais minutos em campo. Faltou Ronaldo, que foi emprestado ao Atlético-GO e também deveria ter sido mais aproveitado na Gávea. Todos eles são jogadores prontos para integrar o elenco e ajudar muito o novo treinador.

 

Paulo César Carpegiani volta ao Flamengo como uma solução “tampão” no difícil mercado de treinadores. Fez trabalhos razoáveis no Coritiba e no Bahia recentemente. Conhece o clube. Mas é difícil dizer até onde ele pode levar esta equipe diante de tamanha pressão por títulos. Certo é que em 2018 o Flamengo precisa exigir mais de peças importantes como Diego e Everton Ribeiro para que a equipe possa render tudo que dela se espera.

Pré-Temporada, Flamengo,

Flamengo é o mesmo de 2017 até aqui. Mudança só no comando técnico.

Como ainda não contratou nenhum jogador e nem se reapresentou para dar início à pré-temporada, o time é o mesmo da última temporada. Claro que ficam algumas dúvidas para o novo comandante. Hoje, principalmente nas laterais e na linha de meias. Não é absurdo pensar em Rodinei e Renê ganhando vaga no time titular. No meio a briga é mais forte. Paquetá terminou 2017 em alta e precisa de espaço pra jogar. Everton Ribeiro e Diego estão entre os principais investimentos no time. Everton, Vinicius Júnior, Berrío e Geovânio também disputam vaga no setor. Na frente, Vizeu deve ganhar sequência até a volta de Guerrero ou até a contratação de um nome de peso para o setor (Vágner Love, possivelmente).

 

Apesar da estranheza pela movimentação lenta no mercado, o Flamengo segue com um bom elenco para 2018. A lamentar, ter que começar mais uma vez o trabalho do zero com um treinador. Principalmente quando contrata dizendo que a ideia é usar Carpegiani em outra função num futuro que ninguém sabe quando chegará. Seguir trabalhando bem o elenco com espaço para os jovens jogadores é o caminho para ter sucesso na temporada.

 

TÉCNICO: Paulo César Carpegiani (no comando desde janeiro de 2018)

CHEGARAM:

SAÍRAM: Márcio Araújo (V – Chapecoense); Mancuello (M – Cruzeiro) e Dario Conca (M – Shangai SIPG-CHI).

A PROMESSA: Vinicius Júnior (A – 17 anos). Já negociado com o Real Madrid, deve ter mais chances nesta temporada após os primeiros passos no time profissional. Jogador de altíssimo nível, pode brigar inclusive por uma vaga entre os titulares na ponta esquerda.

(Em 2017 a aposta foi em Lucas Paquetá, que apesar da forte concorrência terminou o ano em alta. Jogando aberto pelos lados, como meia ou até centroavante, teve bons minutos e boas atuações. Começa 2018 brigando forte por uma vaga entre os titulares)

FIQUE DE OLHO: Everton Ribeiro (M – 28 anos). Rendeu muito menos do que se esperava em 2017, mas já adaptado novamente ao Brasil e ao clube, tem tudo para se tornar peça fundamental no Flamengo na nova temporada. Precisa encontrar um bom parceiro pelo lado direito.

EM 2018: Campeonato Carioca (briga pelo título), Copa Libertadores (quartas de final), Copa do Brasil (briga pelo título) e Campeonato Brasileiro (briga pelo título).

 

AS APOSTAS DO BLOG EM 2017 (em negrito os acertos): Primeira Liga (segundo plano), Campeonato Carioca (briga pelo título), Copa Libertadores (briga pelo título), Copa do Brasil (briga pelo título) e Campeonato Brasileiro (briga por título).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Cruzeiro
10 Janeiro, 2018
1
,

Se não foi o time que mais ou melhor contratou, o Cruzeiro foi até aqui o mais capaz de preencher as lacunas que tinha no elenco para 2018. Campeão da Copa do Brasil, foi ao mercado com contratações pontuais e nos setores onde o time mais sentiu dificuldades na última temporada. Se há preocupação com relação à situação financeira (de onde vem o dinheiro para as contratações?) e com o crescimento da média de idade do time, ao mesmo tempo há certeza de que é um elenco muito fortalecido para disputar todas as competições que vierem pela frente.

 

No último ano, o Cruzeiro foi um time confiável. Raramente brilhou mas poucas vezes jogou muito abaixo do que se esperava. Foi o time da defesa sólida e do contra-ataque mortal. Se expôs pouco, correu poucos riscos. Tinha a cara do seu treinador. Mano Menezes é o técnico há mais tempo comandando um clube na Série A e em 2018 precisa provar que é capaz de dar o passo adiante: fazer o time jogar mais e melhor. Tem peças para isso.

 

A única perda significativa está na lateral esquerda. Diogo Barbosa é de difícil substituição. Egídio e Marcelo Hermes vão disputar a posição mas provavelmente serão incapazes de fazer tudo que fez o lateral em 2017. Mas a compensação está do outro lado, com Edilson resolvendo um problema que vinha desde 2014 atormentando os treinadores celestes. Bruno Silva dá força e altura para um meio-campo já competitivo. David pode compensar o drible pelo lado perdido com a saída de Alisson. E Fred resolve o problema da bola que passava na área sem alguém para concluir.

Cruzeiro, Pré-Temporada,

Ainda no 4-2-3-1: Cruzeiro 2018 enfraquecido onde sofreu na última temporada

Existem muitas possibilidades para a montagem de um time titular forte, mas a possível chegada de Mancuello nos próximos dias preenche a única lacuna que faltava: o reserva de Cabral. Mano Menezes parece ter uma ideia clara na cabeça e só deve testar uma maneira de encaixar Thiago Neves e Arrascaeta jogando juntos, o que não é simples de resolver. Rafinha, pelo ótimo fim de 2017, deve sair na frente na disputa mais acirrada por uma vaga no time.

 

Certo é que o Cruzeiro monta um time forte em todos os aspectos. Tem um trabalho sólido do seu treinador, um elenco experiente e que permite variações: pode ser forte e alto, veloz e insinuante. Futebol é um jogo de riscos e imprevistos. Mas apostar em um bom 2018 da equipe celeste é o caminho natural.

 

TÉCNICO: Mano Menezes (no comando desde julho de 2016)

CHEGARAM: Edilson (LD – Grêmio); Marcelo Hermes (LE – Benfica); Egídio (LE – Palmeiras); Bruno Silva (M – Botafogo); David (A – Vitória) e Fred (A – Atlético-MG).

SAÍRAM: Diogo Barbosa (LE – Palmeiras); Bryan (LE – Vitória); Mena (LE – Bahia); Alex (M – Londrina); Rony (A – Botafogo); Thonny Anderson (A – Grêmio); Alisson (A – Grêmio); Joel (A – Marítimo-POR) e Élber (A – Bahia).

A PROMESSA: Judivan (A – 22 anos). Apesar da idade avançada para ser considerado uma aposta, Judivan finalmente pode ter seu primeiro ano como profissional. Curado de uma grave lesão no joelho, deu os primeiros passos na volta aos campos no fim do ano passado. Se espantar os problemas físicos, tende a ganhar muito espaço no time celeste.

(Em 2017 a aposta foi em Alex, que foi muito mal em todas as oportunidades que teve. Começa o ano emprestado ao Londrina, onde precisa reencontrar seu futebol)

FIQUE DE OLHO: Thiago Neves (M – 32 anos). Foi um dos principais jogadores do país na última temporada. Experiente, tem um poder de decisão muito acima da média e pode ajudar o time com gols e passes. Adaptado e entrosado, pode ter um 2018 ainda melhor.

EM 2018: Campeonato Mineiro (briga pelo título), Copa do Brasil (briga pelo título), Campeonato Brasileiro (briga pelo título) e Copa Libertadores (briga pelo título).

 

AS APOSTAS DO BLOG EM 2017 (em negrito os acertos)Primeira Liga (briga pelo título), Campeonato Mineiro (briga pelo título), Copa do Brasil (briga pelo título), Campeonato Brasileiro (briga por vaga na Libertadores) e Copa Sul-Americana (briga pelo título).