Marcação Tática
Pré-Temporada: Ceará
7 janeiro, 2019
0
,

Logo após o fim do Campeonato Brasileiro o técnico Lisca deu uma declaração ousada: ficaria no Ceará e teria como objetivo para a próxima temporada levar o time para a Libertadores de 2020. Improvável e provavelmente o ótimo técnico sabe disso. Não descolar os pés do chão é fundamental para o Vozão conseguir se sustentar na primeira divisão.

Os primeiros passos ainda são tímidos mas já dão um indício da direção para onde seguir em 2019. Boa parte da base foi mantida, ainda que o time tenha tido baixas importantes no setor ofensivo. As contratações são volumosas para melhorar algo importante. Com muitas competições pela frente, o time sofreu na última temporada com o elenco curto. Este ano a ideia é ter mais opções.

É verdade que nenhuma das contratações até aqui empolga. Mas como de costume, o time deve guardar os principais investimentos para o segundo semestre para aliviar o caixa. É importante dar peso a um time que reagiu bem na Série A mas que carece de referências técnicas principalmente no setor ofensivo.

Ceará tem praticamente o mesmo time da última temporada mas precisa aumentar elenco e contratar a bola de prata para o Campeonato Brasileiro.

A exemplo dos outros times com menor capacidade de investimento, o Ceará precisa de cabeça no lugar em 2019 para não perder o fio da meada. Lisca fez um excelente trabalho mas não é simples manter o nível com tantas competições para se concentrar.

A loucura deve ficar só no apelido do treinador. Mirar o bom exemplo do Bahia, que se mantém na Série A e aproveita para dar um passinho de cada vez rumo a evolução. Ousar um pouco mais em uma grande contratação para o Brasileiro pode oferecer uma condição melhor de sonhar, mas sempre acreditando no trabalho daqueles que já estão por lá.

TÉCNICO: Lisca (no comando desde junho de 2018)

CHEGARAM: Cristovam (LD – Suwon Bluewings-COR), Charles (Z – Paraná), William Oliveira (V – Sampaio Corrêa), Fernando Sobral (M – Sampaio Corrêa), Felipe Baxola (M – Sanfrece Hiroshima-JAP), Chico (M – Pohang Steelers-COR), Matheus Mathias (A – Corinthians), Vitor Feijão (A – Criciúma), Willie (A – Servette-SUI) e João Paulo (A – Criciúma).

SAÍRAM: Arnaldo (LD – Botafogo), Calyson (M – São Caetano), Leandro Carvalho (A – Botafogo), Arthur Cabral (A – Palmeiras) e Felipe Azevedo (A – América).

A PROMESSA: Felipe Jonatan (LE – 20 anos). Depois de indas e vindas em 2018, tem tudo para se firmar como titular na lateral esquerda na atual temporada. Jogador de boa participação ofensiva, precisa melhorar a cabeça para brilhar na próxima temporada.

(Em 2018 a aposta foi Arthur, um dos artilheiros do Brasil na temporada que acabou negociado com o Palmeiras, onde vai brigar por posição no time na próxima temporada.)

FIQUE DE OLHO: Richardson (V – 27 anos). Um dos principais jogadores do time na última temporada, será peça fundamental na reestruturação do time em 2019. Volante de boa pegada e muito boa técnica, teve sete assistências no ano passado.

EM 2019: Campeonato Pernambucano (favorito ao título), Copa do Nordeste (briga pelo título), Copa do Brasil (quarta fase) e Campeonato Brasileiro (briga contra o rebaixamento).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos): Campeonato Cearense (favorito ao título), Copa do Nordeste (corre por fora), Copa do Brasil (terceira fase), e Campeonato Brasileiro (briga contra o rebaixamento).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Botafogo
6 janeiro, 2019
0
,

A situação financeira é um problema grave para o Botafogo já fazem alguns anos. O que obriga o clube a se desfazer de jogadores importantes para concorrentes do mercado nacional. Nesta temporada, duas baixas: Igor Rabello foi jogar no Atlético enquanto Matheus Fernandes vai defender o Palmeiras.

Mas ainda assim foi possível manter boa parte da base da última temporada e o principal: a continuidade de Zé Ricardo no comando. Técnico jovem, low profile, mas de bons trabalhos ao longo da carreira, mostrou no fim da última temporada capacidade para reconstruir o time.

E até aqui, mesmo com pouco investimento, os reforços encontrados no mercado são animadores. Gabriel tem condição para reencontrar, longe da pressão do Galo, o futebol do início da carreira que chamou a atenção de Tite. Alan Santos é um jogador que me chama a atenção desde os tempos de Coritiba. Gustavo Ferrareis ainda não decolou mas tecnicamente é um meia interessante. Sem falar na volta de Leandro Carvalho após boa passagem pelo Ceará e nas ainda possíveis permanências de Moisés e Erik, que seriam muito importantes.

Com a base mantida, ainda falta ao Botafogo um centroavante confiável para começar a temporada.

O elenco curto a princípio pode ser um ponto positivo no primeiro semestre para Zé Ricardo abrir espaço para jovens jogadores no time. Seguir revelando para vender é fundamental para o Botafogo melhorar a condição financeira. Mesmo com a volta de Erik, buscar um centroavante mais confiável também seria importante. Trellez, que foi sondado, cairia bem no estilo da equipe.

Para o Botafogo é fundamental ter cabeça no lugar em 2019. Entender a situação financeira do clube e não fazer loucuras nem achar que pode chegar mais longe que suas pernas podem alcançar. Zé Ricardo até aqui na carreira conseguiu levar os seus times muito acima do esperado na primeira temporada. Não aconteceu desta vez. Ponto positivo para evitar o excesso de pressão em 2019.

TÉCNICO: Zé Ricardo (no comando desde agosto de 2018)

CHEGARAM: Diego Cavalieri (G – Sem Clube), Arnaldo (LD – Ceará), Gabriel (Z – Atlético), Alan Santos (V – Tigres-MEX), Gustavo Ferrareis (M – Internacional) e Leandro Carvalho (A – Ceará).

SAÍRAM: Jefferson (G – Aposentado), Saulo (G – Vila Nova-GO), Luis Ricardo (LD – Ponte Preta), Yago (Z – Corinthians), Igor Rabello (Z – Atlético), Moisés (LE – Corinthians), Dudu Cearense (V – Sem Clube), Jean (V – Corinthians), Matheus Fernandes (V – Palmeiras), Renatinho (M – Goiás), João Pedro (M – Athletico-PR), Leandrinho (A – Sport), Ezequiel (A – Sport), Brenner (A – Internacional) e Erik (A – Palmeiras).

A PROMESSA: Igor Cássio (A – 20 anos). Recuperado de lesão, o centroavante deve ganhar minutos com a falta de nomes confiáveis no ataque do Botafogo. Na base já mostrou mobilidade e faro de gols mas precisa encontrar a regularidade se quiser brigar por um lugar no time de Zé Ricardo.

(Em 2018 a aposta foi Ezequiel que começou a temporada ganhando muitas oportunidades mas aos poucos foi perdendo espaço no time. Na próxima temporada vai defender o Sport.)

FIQUE DE OLHO: Gatito Fernandez (G – 30 anos). Outro jogador do Botafogo afetado por lesões na última temporada, precisa ter sequência em 2019 para que Jefferson não deixe saudades após a aposentadoria. Bom posicionamento e segurança são as marcas do bom goleiro do Botafogo.

EM 2019: Campeonato Carioca (corre por fora), Copa Sul-Americana (oitavas de final), Copa do Brasil (oitavas de final) e Campeonato Brasileiro (meio de tabela).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos):
Campeonato Carioca (briga pelo título), Copa do Brasil (oitavas de final), Copa Sul-Americana (quartas de final) e Campeonato Brasileiro (meio da tabela).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Bahia
5 janeiro, 2019
0
,

Primeiro clube nordestino a superar os 100 milhões de reais de orçamento, o Bahia segue mostrando a cada ano evolução na parte administrativa. Os resultados em campo, caminham lado a lado. Após uma temporada segura, o time consegue mais uma vez manter boa parte da base e dar sequência a um trabalho. Fundamental para poder sonhar mais alto.

É evidente que o Bahia ainda está longe dos principais orçamentos do país e sofre com o mercado. As baixas de Léo Pelé e Zé Rafael devem ser sentidas pelo clube, mas ainda assim Enderson Moreira tem a base da equipe em mãos e bons primeiros passos no mercado.

O segredo do sucesso já parece claro para o tricolor de aço. Seguir revelando bons valores (Ramires é a bola da vez, após ótima reta final de Campeonato Brasileiro) e apostando na recuperação de atletas rodados mas com baixo valor de mercado atual (como Guilherme que chega após mais uma passagem sem brilho por grande clube).

Base mantida e a interessante chegada de Guilherme podem fazer o Bahia sonhar alto em 2019, mas pé no chão é fundamental

Aos poucos, o Bahia consegue não só manter elenco e linha de trabalho mas ainda buscar reforços que podem ajudar. Rogério e Guilherme chegam com grande potencial de ajuda. Arthur, se conseguir ficar longe das lesões, também pode ser peça importante para Enderson Moreira.

Mais do que ajustar expectativas e seguir olhando para o alto, o Bahia precisa manter os pés bem presos ao chão. Entender o tamanho de suas pernas e principalmente, a distância natural provocada pelo orçamento com relação aos outros clubes, é importante para seguir crescendo. Um passo atrás do outro. Sem olhar pra trás.

TÉCNICO: Enderson Moreira (no comando desde junho de 2018)

CHEGARAM: Matheus Silva (LD – Paysandu), Yuri (V – CSA), Guilherme (M – Athletico), Iago (A – CRB), Caíque (A – São Paulo) e Rogério (A – Sport).

SAÍRAM: Bruno (LD – Sem Clube), Douglas Grolli (Z – Sem Clube), Léo Pelé (LE – São Paulo), Edson (V – Ponte Preta), Vinicius (M – Sem Clube), Allione (M – Palmeiras), Luiz Henrique (M – Náutico) e Zé Rafael (M – Palmeiras).

A PROMESSA:  Ramires (M – 18 anos). Foi um dos principais nomes do time na reta final do último brasileiro, mas ainda tem só 18 jogos como profissional. Ter permanecido no Bahia deve ser importante para a carreira e a tendência é de crescimento em 2019. Meia de talento e maturidade raros para a idade.

(Em 2018 a aposta foi Everson que atuou 16 vezes na temporada mas ainda não conseguiu deslanchar no elenco profissional. Segue como opção para Enderson Moreira.)

FIQUE DE OLHO: Gregore (V – 26 anos). Segundo jogador que mais vezes entrou em campo na última temporada, deve ser figura importante mais uma vez para Enderson Moreira. Volante de boa leitura de jogo e de enorme capacidade nos desarmes.

EM 2019: Campeonato Baiano (briga pelo título), Copa do Nordeste (briga pelo título), Copa Sul-Americana (oitavas de final), Copa do Brasil (oitavas de final) e Campeonato Brasileiro (meio de tabela).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos):
Copa do Nordeste (briga pelo título), Campeonato Baiano (briga pelo título), Copa do Brasil (oitavas de final), Sul-Americana (segunda fase) e Campeonato Brasileiro (meio de tabela).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Avaí
4 janeiro, 2019
0
,

Não é fácil a vida de quem sobe da Série B para jogar a Série A. E o Avaí sabe como poucos o tamanho desta dificuldade. No ano passado, conquistou o quarto acesso desde 2008. Das três anteriores, só na primeira o time conseguiu permanecer no ano seguinte. Agora, mantém o sobe e desce de seu elevador, que vem desde 2014 sem intervalo.

Os primeiros passos do time em 2019 são pouco animadores. Recentemente em entrevista com o técnico Geninho no Arena 98, perguntamos sobre as lições que o clube e treinador poderiam ter tido destas experiências de subir e descer. E ele citou que sentiu que era um erro montar um time enfraquecido no primeiro semestre e guardar as principais contratações para o Campeonato Brasileiro. Ao que tudo indica, no entando, é o que o Avaí fará novamente.

O time que perdeu cinco titulares constantes na campanha do acesso na última temporada, até aqui contratou pouco e está longe de empolgar. No elenco, pouquíssimos jogadores com rodagem em Série A e nenhum nome de peso para dar sustentação técnica à equipe.

Avaí perdeu peças e está longe de montar time competitivo para a Série A, ao contrário do que planejava o treinador em dezembro.

É claro que a temporada ainda nem começou e há tempo para buscar jogadores que aumentem o nível do time. Principalmente no setor ofensivo, onde os nomes são pouco confiáveis e Geninho vai precisar de jogadores que tenham velocidade e que percam poucas chances de gol.

A distância financeira não para de crescer dos times grandes para os pequenos no Brasil. E a tendência é que essa diferença seja cada vez mais visível em campo. Salvo um improvável encaixe de peças ou uma ainda mais improvável mudança na postura do mercado, o Avaí é candidato forte a viver um calvário em 2019.

TÉCNICO: Geninho (no comando desde abril de 2018)

CHEGARAM: Lucas Frigeri (G – CSA), Alex Silva (LD – Atlético-MG), Gegê (M – Sem Clube) e João Paulo (M – Atlético-GO).

SAÍRAM: Aranha (G – Sem Clube), Rubinho (G – Sem Clube), Koslinski (G – Atlético-GO), Renato (LD – Chapecoense), Guga (LD – Atlético), Airton (Z – Ponte Preta), Marcão (Z – Portuguesa-RJ), Capa (LE – São Caetano), João Paulo (LE – CRB), Judson (V – San Jose-EUA) e Rodrigão (A – Santos).

A PROMESSA: Luanzinho (M – 18 anos). Estreou no time profissional na Série A de 2017, ainda com 17 anos. Dribles curtos, velocidade e boa chegada à frente são a marca do jogador que ainda precisa de tempo e calma para se firmar no time principal. Apesar de precisar reforçar o setor ofensivo, é importante para o Avaí manter espaço aberto para a joia, figura presente nas seleções sub-17 e sub-20.

FIQUE DE OLHO: Betão (Z – 35 anos). Experiente e ídolo do clube, será peça fundamental em um elenco formado por jogadores com pouca rodagem na competição mais importante do país.

EM 2019: Campeonato Catarinense (briga pelo título), Copa do Brasil (quarta fase) e Campeonato Brasileiro (luta contra o rebaixamento).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Atlético-MG
3 janeiro, 2019
0
,

A última temporada pode ser considerada de altos e baixos no Atlético-MG. Apesar de ter fracassado na grande maioria das contratações realizadas e ter passado o ano sem títulos, figurou entre os seis primeiros do Campeonato Brasileiro praticamente de ponta a ponta e garantiu vaga na Libertadores de 2019. A dúvida é como vai reagir na nova temporada: ainda com uma política pés no chão que deixou o torcedor preocupado ou voltará a investir para brigar por títulos como no início da década.

Os primeiros sinais mantém a dúvida, já que o Galo parece estar no meio do caminho. O investimento mais vultuoso até aqui (Igor Rabello) não saiu dos cofres do clube. Os outros são apostas de custo médio ou baixo além do retorno de um antigo ídolo. Mas diferentemente das últimas temporadas, algo parece importante. A diretoria atleticana se esqueceu das grifes ofensivas e resolveu finalmente reforçar o setor que mais precisava de jogadores.

Levir Culpi ainda tem pouco tempo no comando do time mas já deu sinais importantes. O principal deles, que Cazares pode crescer de produção em suas mãos. Mas a impressão é que ainda podem acontecer mudanças no elenco ao longo do primeiro semestre.

No 4-2-3-1, reforços devem assumir titularidade na zaga do Atlético. Terans pode ganhar mais espaço com a ainda possível saída de Luan.

Se parece evidente que ainda está um passo atrás dos principais elencos do Brasil, o Atlético-MG começa a temporada deixando boa impressão no mercado. Investiu em posições necessárias, já começou a pensar em reposições e melhorou o time. Falta algo mais que possa colocar o time no mesmo patamar dos outros para voltar a brigar por títulos.

Se parar de interromper trabalhos a cada fracasso e seguir trabalhando bem no mercado de reforços, o Galo pode voltar a trilhar o caminho das conquistas. Mas nada vem do dia para a noite.

TÉCNICO: Levir Culpi (no comando desde outubro de 2018)

CHEGARAM: Guga (LD – Avaí), Réver (Z – Flamengo), Igor Rabello (Z – Botafogo) e Jair (V – Sport).

SAÍRAM: Juninho (Z – Palmeiras), Gabriel (Z – Botafogo), Matheus Galdezani (V – Coritiba), Tomás Andrade (M – River Plate-ARG), Nathan (M – Chelsea), Denílson (A – Al Faysali-ARA) e Edinho (A – Fortaleza).

A PROMESSA:  Bruninho (M – 18 anos). Rápido e driblador, estreou no profissional com apenas 17 anos, ainda no Campeonato Mineiro. Ainda que pareça longe de se firmar como opção no profissional, já carrega o olhares de clubes da Europa. Com Levir, pode ganhar mais uma sequência de oportunidades no estadual para tentar crescer em uma posição de grande concorrência.

(Em 2018 a aposta foi Nathan que acabou emprestado à Ponte Preta onde foi peça importante na boa campanha da Série B, jogando 34 partidas e marcando um gol. Seguirá em Campinas em 2019, onde tem atuado como volante.)

FIQUE DE OLHO: Cazares (M – 26 anos). Tecnicamente é o melhor jogador do elenco mas ainda briga com os altos e baixos no seu futebol. A reta final da última temporada, já com Levir Culpi, deixou a impressão que a estrela do camisa 10 pode brilhar definitivamente nesta temporada.

EM 2019: Campeonato Mineiro (briga pelo título), Copa Libertadores (oitavas de final), Copa do Brasil (quartas de final) e Campeonato Brasileiro (vaga na Libertadores).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos):Campeonato Mineiro (briga pelo título), Copa do Brasil (quartas de final), Copa Sul-Americana (briga pelo título) e Campeonato Brasileiro (vaga na Libertadores) .