Marcação Tática
Pré-Temporada: Cruzeiro
10 janeiro, 2019
0
,

Os primeiros sinais indicavam dias tranquilos para o Cruzeiro no início de 2019. Poucos ajustes a fazer no elenco e o trabalho de prazo mais longo no país com Mano Menezes, somados aos títulos recentes da Copa do Brasil pareciam deixar o time em mar calmo. Doce ilusão. A equipe não conseguiu ficar longe das turbulências e começou o ano com os problemas financeiros expostos e com os principais jogadores na mira de concorrentes nacionais.

A diretoria foi firme para manter Dedé e Thiago Neves apesar do interesse de Flamengo e Grêmio. Mas não escapou de perder Arrascaeta, que vai defender o rubro-negro carioca na próxima temporada. Um bom negócio do ponto de vista financeiro mas que deixa uma lacuna importante para ser preenchida pelo treinador.

Há vida sem o atacante uruguaio e o desafio será provar isso o mais rapidamente possível. A dúvida é como o clube pretende fazer isso. A ideia de investir em Rodriguinho, prestes a retornar ao país após rápida passagem pelo Egito, é interessante do ponto de vista técnico mas não representa uma reposição tática. Rafinha e David, que já estão no elenco, parecem peças melhores para substituir o uruguaio em sua função de ponta pela esquerda. Ou até mesmo usar um dos centroavantes que devem sobrar pelo excesso de concorrentes: Sassá ou Raniel.

Cruzeiro é praticamente o mesmo da última temporada e precisa começar o ano provando força mesmo perdendo seu principal jogador.

A chegada de Jádson pode representar mais vigor e juventude em um time de veteranos. O mesmo acontecerá caso o clube confirme a provável contratação de Dodô para a lateral esquerda. A média de idade elevada representa um time confiável em grandes jogos mas também uma equipe que precisava do “gatilho” de velocidade que Arrascaeta oferecia.

Com praticamente o mesmo time do último ano o Cruzeiro começa 2019 forte e candidato aos principais títulos da temporada. A sequência do trabalho é um diferencial que os concorrentes mais endinheirados não conseguiu igualar. Precisa aproveitar a saída de seu principal jogador para colocar a casa em ordem e não deixar que a parte financeira volte a ser exposta e prejudique novamente o planejamento.

TÉCNICO: Mano Menezes (no comando desde julho de 2016)

CHEGARAM: Orejuela (LD – Ajax-HOL), Jádson (V – Fluminense) e Renato Kayser (M – Atlético-GO).

SAÍRAM: Ezequiel (LD – Fluminense), Bruno Silva (V – Fluminense), Arrascaeta (A – Flamengo) e Rafael Sóbis (A – Internacional).

A PROMESSA: Éderson (V – 19 anos). Contratado para o time sub-20, chamou a atenção de Mano Menezes e já alçou voo na equipe principal. Nas primeiras chances, chamou a atenção pela dinâmica e a capacidade de se apresentar mais à frente. Deve seguir ganhando minutos em 2019.

(Em 2018 a aposta foi Judivan, que acabou não conseguindo se firmar nos empréstimos a América e CSA. Retornou ao clube mas será reemprestado em 2019.)

FIQUE DE OLHO: Fred (A – 35 anos). Ainda envolvido em briga judicial com o Atlético, o centroavante teve um 2018 prejudicado por uma lesão grave no joelho. Mas deixou boas impressões antes e depois de se machucar. Em 2019 precisa provar que ainda pode estar entre os melhores da posição no país.

EM 2019: Campeonato Mineiro (briga pelo título), Copa Libertadores (quartas de final), Copa do Brasil (briga pelo título) e Campeonato Brasileiro (briga pelo título).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos): 
Campeonato Mineiro (briga pelo título), Copa do Brasil (briga pelo título), Campeonato Brasileiro (briga pelo título) e Copa Libertadores (briga pelo título) .

Marcação Tática
Pré-Temporada: Corinthians
9 janeiro, 2019
0
,

O ano de 2019 começou para o Corinthians como um roteiro de “De Volta Para o Futuro”. Depois de um ano de mais baixos do que altos, o clube apostou alto na volta de Fábio Carille, após passagem rápida pelo mundo árabe. Chega com a promessa de resgatar o time seguro e qualificado de tempos recentes.

Mas a verdade é que até aqui a diretoria não olhou só para trás. Mesmo sem investir tanto dinheiro, o clube conseguiu bons reforços no mercado até aqui e qualificou um elenco que ainda precisa de peças para chegar ao nível dos principais concorrentes no país.

A ausência na Libertadores, ponto obviamente negativo em 2019, pode permitir ao Corinthians se concentrar melhor em outras competições, principalmente o Campeonato Brasileiro. São Paulo e Internacional no último ano mostraram que um time que não é favorito pode usar o calendário a seu favor. E o Timão sabe como poucos como lidar com os pontos corridos como já mostrou em outras temporadas.

Ainda há dúvidas sobre as ideias de Carille para 2019, mas Corinthians pode ter um time de força no meio e muita velocidade pelos lados.

Fábio Carille tem várias formas de montar o time com o elenco que tem nas mãos. Certamente vai sofrer menos no ataque com a chegada de Boselli e não deve ter que apostar mais na linha de quatro meias que produziam pouco ofensivamente. Resta saber se Ramiro pode ser o volante de saída ou vai disputar posição pelo lado direito como no Grêmio. E se Sornoza terá personalidade para assumir um lugar cativo no time titular.

O Corinthians chega a 2019 em condição melhor depois de um ano melancólico. Se souber se aproveitar do calendário e conseguir encaixar bem os novos reforços pode voltar ao topo mesmo que ainda não tenha atingido o nível dos rivais.

TÉCNICO: Fábio Carille (no comando desde janeiro de 2019)

CHEGARAM: Fábio Carille (T – Al Wheda-KSA), Michel (LD – Las Palmas-ESP), Richard (V – Fluminense), Ramiro (V – Corinthians), Sornoza (M – Fluminense), Gustavo Mosquito (A – Coritiba), André Luis (A – Ponte Preta) e Mauro Boselli (A – León-MEX).

SAÍRAM: Jair Ventura (T – Sem Clube), Caíque França (G – Oeste), Mantuan (LD – Ponte Preta), Vilson (Z – Aposentado), Yago (Z – Goiás), Paulo Roberto (V – Fortaleza), Danilo (M – Vila Nova-GO), Emerson Sheik (A – Aposentado) e Matheus Mathias (A – Ceará).

A PROMESSA: Carlos Augusto (LE – 20 anos). Chegou a tomar a posição de Danilo Avelar no ano passado e pode ser aposta de Carille para a posição. Com passagens pela seleção brasileira, o lateral luta para se firmar nesta temporada.

(Em 2018 a aposta foi Pedrinho, que foi um dos jogadores que mais entrou em campo na última temporada, com três gols e seis assistências. Deve brigar forte por uma vaga entre os titulares.)

FIQUE DE OLHO: Mauro Boselli (A – 33 anos). Não espere no veterano um atacante participativo mas o Corinthians certamente terá um 9 eficiente. Boselli sabe se posicionar muito bem e tem um incrível poder de finalização. Deve marcar muitos gols em 2019.

EM 2019: Campeonato Paulista (corre por fora), Copa Sul-Americana (briga pelo título), Copa do Brasil (quartas de final) e Campeonato Brasileiro (luta pelo G-6).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos):  Campeonato Paulista (briga pelo título), Copa do Brasil (semifinal), Copa Libertadores (oitavas de final) e Campeonato Brasileiro (briga por vaga na Libertadores).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Chapecoense
8 janeiro, 2019
0
,

O ano de 2018 não foi fácil para a Chapecoense. Ainda em processo de reconstrução, pela primeira vez desde que chegou à elite o time se atrapalhou no planejamento, deu voltas que normalmente não dá e por pouco não acabou na Série B. Processo natural, que precisa ser deixado para trás na nova temporada.

Até aqui, poucas movimentações no mercado, o que é positivo. Nos últimos anos, até por necessidade, a Chapecoense contratou muito. Quem aposta em volume está mais sujeito a erros. Ainda que vá precisar de mais jogadores ao longo da temporada, os primeiros passos em 2019 são cuidadosos.

Importante, porém, a manutenção de Claudinei Oliveira e de boa parte do time titular da última temporada, ainda que os resultados tenham sido ruins. Qualificar aos poucos e mudar com calma é sempre o melhor caminho. Entre os muitos que deixaram o clube, a única baixa realmente sentida deve ser a de Leandro Pereira, que exige um substituto à altura.

Chapecoense ainda precisa qualificar elenco, mas início “lento” pode ser bom sinal para 2019

É evidente que o time ainda precisa ser qualificado e reforçado, principalmente no meio e ataque. A chegada de João Ricardo e a manutenção de Fabrício Bruno e Bruno Pacheco parecem ter deixado a defesa bem resolvida. Pelo menos um volante mais qualificado, um meia como alternativa e dois atacantes podem deixar o time pronto para 2019.

Esquecer as indas e vindas dos últimos dois anos é o caminho para a Chapecoense se reestruturar de vez. O caminho sempre foi o mesmo: planejamento e confiança no que pensa a cada ano. Em 2019 os primeiros sinais são positivos neste aspecto.

TÉCNICO: Claudinei Oliveira (no comando desde outubro de 2018)

CHEGARAM: João Ricardo (G – América), Renato (LD – Avaí), Joílson (Z – Oeste) e Aylon (A – América).

SAÍRAM: Rafael Copetti (G – Sem Clube), Jandrei (G – Genoa-ITA), Rafael Thyere (Z – Grêmio), Canteros (V – Sem Clube), Barreto (V – Criciúma), Doffo (M – Sem Clube), Marquinhos (M – Atlético), Neném (M – Sem Clube), Osman (A – Luverdense), Vinicius (A – Sem Clube), Júnior Santos (A – Sem Clube), Leandro Pereira (A – Sem Clube) e Capixaba (A – Vila Nova-GO).

A PROMESSA: Bruno Silva (A – 18 anos). Teve um 2018 muito produtivo, participando de quase 50 jogos e marcando dois gols. Nesta temporada pode se firmar em um time que sofre com poucas opções para o setor ofensivo. Rápido, precisa de mais regularidade para vingar.

(Em 2018 a aposta foi Perotti, que jogou apenas cinco partidas. A princípio segue como opção no elenco para 2019 mas com pouca perspectiva.)

FIQUE DE OLHO: Bruno Pacheco (LE – 27 anos). Jogador mais regular do time na última temporada, deve seguir no elenco apesar de sondagens do Brasil e do exterior. Jogador completo, pode melhorar a tomada de decisão no campo ofensivo para se tornar ainda mais importante.

EM 2019: Campeonato Catarinense (favorito ao título), Copa Sul-Americana (oitavas de final), Copa do Brasil (quarta fase), e Campeonato Brasileiro (briga contra o rebaixamento).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos): 
Campeonato Catarinense (favorito ao título), Copa Libertadores (primeira fase), Copa do Brasil (oitavas de final) e Campeonato Brasileiro (meio da tabela) .

Marcação Tática
Pré-Temporada: Ceará
7 janeiro, 2019
0
,

Logo após o fim do Campeonato Brasileiro o técnico Lisca deu uma declaração ousada: ficaria no Ceará e teria como objetivo para a próxima temporada levar o time para a Libertadores de 2020. Improvável e provavelmente o ótimo técnico sabe disso. Não descolar os pés do chão é fundamental para o Vozão conseguir se sustentar na primeira divisão.

Os primeiros passos ainda são tímidos mas já dão um indício da direção para onde seguir em 2019. Boa parte da base foi mantida, ainda que o time tenha tido baixas importantes no setor ofensivo. As contratações são volumosas para melhorar algo importante. Com muitas competições pela frente, o time sofreu na última temporada com o elenco curto. Este ano a ideia é ter mais opções.

É verdade que nenhuma das contratações até aqui empolga. Mas como de costume, o time deve guardar os principais investimentos para o segundo semestre para aliviar o caixa. É importante dar peso a um time que reagiu bem na Série A mas que carece de referências técnicas principalmente no setor ofensivo.

Ceará tem praticamente o mesmo time da última temporada mas precisa aumentar elenco e contratar a bola de prata para o Campeonato Brasileiro.

A exemplo dos outros times com menor capacidade de investimento, o Ceará precisa de cabeça no lugar em 2019 para não perder o fio da meada. Lisca fez um excelente trabalho mas não é simples manter o nível com tantas competições para se concentrar.

A loucura deve ficar só no apelido do treinador. Mirar o bom exemplo do Bahia, que se mantém na Série A e aproveita para dar um passinho de cada vez rumo a evolução. Ousar um pouco mais em uma grande contratação para o Brasileiro pode oferecer uma condição melhor de sonhar, mas sempre acreditando no trabalho daqueles que já estão por lá.

TÉCNICO: Lisca (no comando desde junho de 2018)

CHEGARAM: Cristovam (LD – Suwon Bluewings-COR), Charles (Z – Paraná), William Oliveira (V – Sampaio Corrêa), Fernando Sobral (M – Sampaio Corrêa), Felipe Baxola (M – Sanfrece Hiroshima-JAP), Chico (M – Pohang Steelers-COR), Matheus Mathias (A – Corinthians), Vitor Feijão (A – Criciúma), Willie (A – Servette-SUI) e João Paulo (A – Criciúma).

SAÍRAM: Arnaldo (LD – Botafogo), Calyson (M – São Caetano), Leandro Carvalho (A – Botafogo), Arthur Cabral (A – Palmeiras) e Felipe Azevedo (A – América).

A PROMESSA: Felipe Jonatan (LE – 20 anos). Depois de indas e vindas em 2018, tem tudo para se firmar como titular na lateral esquerda na atual temporada. Jogador de boa participação ofensiva, precisa melhorar a cabeça para brilhar na próxima temporada.

(Em 2018 a aposta foi Arthur, um dos artilheiros do Brasil na temporada que acabou negociado com o Palmeiras, onde vai brigar por posição no time na próxima temporada.)

FIQUE DE OLHO: Richardson (V – 27 anos). Um dos principais jogadores do time na última temporada, será peça fundamental na reestruturação do time em 2019. Volante de boa pegada e muito boa técnica, teve sete assistências no ano passado.

EM 2019: Campeonato Pernambucano (favorito ao título), Copa do Nordeste (briga pelo título), Copa do Brasil (quarta fase) e Campeonato Brasileiro (briga contra o rebaixamento).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos): Campeonato Cearense (favorito ao título), Copa do Nordeste (corre por fora), Copa do Brasil (terceira fase), e Campeonato Brasileiro (briga contra o rebaixamento).

Marcação Tática
Pré-Temporada: Botafogo
6 janeiro, 2019
0
,

A situação financeira é um problema grave para o Botafogo já fazem alguns anos. O que obriga o clube a se desfazer de jogadores importantes para concorrentes do mercado nacional. Nesta temporada, duas baixas: Igor Rabello foi jogar no Atlético enquanto Matheus Fernandes vai defender o Palmeiras.

Mas ainda assim foi possível manter boa parte da base da última temporada e o principal: a continuidade de Zé Ricardo no comando. Técnico jovem, low profile, mas de bons trabalhos ao longo da carreira, mostrou no fim da última temporada capacidade para reconstruir o time.

E até aqui, mesmo com pouco investimento, os reforços encontrados no mercado são animadores. Gabriel tem condição para reencontrar, longe da pressão do Galo, o futebol do início da carreira que chamou a atenção de Tite. Alan Santos é um jogador que me chama a atenção desde os tempos de Coritiba. Gustavo Ferrareis ainda não decolou mas tecnicamente é um meia interessante. Sem falar na volta de Leandro Carvalho após boa passagem pelo Ceará e nas ainda possíveis permanências de Moisés e Erik, que seriam muito importantes.

Com a base mantida, ainda falta ao Botafogo um centroavante confiável para começar a temporada.

O elenco curto a princípio pode ser um ponto positivo no primeiro semestre para Zé Ricardo abrir espaço para jovens jogadores no time. Seguir revelando para vender é fundamental para o Botafogo melhorar a condição financeira. Mesmo com a volta de Erik, buscar um centroavante mais confiável também seria importante. Trellez, que foi sondado, cairia bem no estilo da equipe.

Para o Botafogo é fundamental ter cabeça no lugar em 2019. Entender a situação financeira do clube e não fazer loucuras nem achar que pode chegar mais longe que suas pernas podem alcançar. Zé Ricardo até aqui na carreira conseguiu levar os seus times muito acima do esperado na primeira temporada. Não aconteceu desta vez. Ponto positivo para evitar o excesso de pressão em 2019.

TÉCNICO: Zé Ricardo (no comando desde agosto de 2018)

CHEGARAM: Diego Cavalieri (G – Sem Clube), Arnaldo (LD – Ceará), Gabriel (Z – Atlético), Alan Santos (V – Tigres-MEX), Gustavo Ferrareis (M – Internacional) e Leandro Carvalho (A – Ceará).

SAÍRAM: Jefferson (G – Aposentado), Saulo (G – Vila Nova-GO), Luis Ricardo (LD – Ponte Preta), Yago (Z – Corinthians), Igor Rabello (Z – Atlético), Moisés (LE – Corinthians), Dudu Cearense (V – Sem Clube), Jean (V – Corinthians), Matheus Fernandes (V – Palmeiras), Renatinho (M – Goiás), João Pedro (M – Athletico-PR), Leandrinho (A – Sport), Ezequiel (A – Sport), Brenner (A – Internacional) e Erik (A – Palmeiras).

A PROMESSA: Igor Cássio (A – 20 anos). Recuperado de lesão, o centroavante deve ganhar minutos com a falta de nomes confiáveis no ataque do Botafogo. Na base já mostrou mobilidade e faro de gols mas precisa encontrar a regularidade se quiser brigar por um lugar no time de Zé Ricardo.

(Em 2018 a aposta foi Ezequiel que começou a temporada ganhando muitas oportunidades mas aos poucos foi perdendo espaço no time. Na próxima temporada vai defender o Sport.)

FIQUE DE OLHO: Gatito Fernandez (G – 30 anos). Outro jogador do Botafogo afetado por lesões na última temporada, precisa ter sequência em 2019 para que Jefferson não deixe saudades após a aposentadoria. Bom posicionamento e segurança são as marcas do bom goleiro do Botafogo.

EM 2019: Campeonato Carioca (corre por fora), Copa Sul-Americana (oitavas de final), Copa do Brasil (oitavas de final) e Campeonato Brasileiro (meio de tabela).

AS APOSTAS DO BLOG EM 2018 (em negrito os acertos):
Campeonato Carioca (briga pelo título), Copa do Brasil (oitavas de final), Copa Sul-Americana (quartas de final) e Campeonato Brasileiro (meio da tabela).